Pesquisar neste blog

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

No ano novo

FaÇa DiFeRenTe.. 


Não prometa, faça
Não reclame, construa
Não corra, percorra


Não evite, procure

Não fuja, persiga
Não espere, vá

Não prove, saboreie
Não toque, acaricie
Não ouça, dance

Não brigue, lute
Não chore, emocione-se
Não ria, alegre-se

Não curta, viva
Não anote, lembre-se
 
Não salve, salve-se


Salve 2017!

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Ocupado demais

Quem ocupa, toma para si

Toma para si o tempo da ocupação
Toma para si o espaço na ocupação
Toma para si a experiência com a ocupação
Toma para si a responsabilidade pela ocupação

Tudo verdade, de verdade e pela verdade
Quantas verdades devem haver...

Ocupe-se
Se ocupe

Preocupe-se
Se preocupe

Pense...

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Tudo em seu tempo

De tempos em tempos
De ventos em ventos
De sonhos em sonhos

Tudo assim, fácil e pra frente.

Na hora e na ordem certa

Que ordem ?
A certa

Que tempo ?
O melhor

O que ? 
O que tiver que ser

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Absoluto

Ah,  o melhor de tudo é o amor que sentimos

Absoluto

Diz-se absoluto a tudo o que é inconteste

Absoluto mesmo é só o amor que se sente


Todo o resto

Ah, todo o resto pode ser melhor

sábado, 30 de julho de 2016

Inovar! .... Por que mesmo?

Eis que de repente, só falamos disto. Inovar.... Toda hora em qualquer assunto. No futebol uma jogada diferente, no trânsito um outro caminho, no restaurante um novo tempero, no cinema um efeito especial inesperado, nos negócios uma nova tecnologia, um novo produto, um novo jeito de produzir, tudo isto é inovação.
Tudo isto tem acontecido muito rápido. Bons exemplos estão por toda parte, mas não quero trazer os mesmos facebooks, celulares, googles, ubers, airbnbs e apples, quero propor que você pense na velocidade da mudança do mundo em primeira pessoa. Olhe como você se alimenta, como você faz compras, como você se diverte, como aprende, como você cuida da sua saúde, como cuida da sua família, como se comunica, como executa seu trabalho, como a informação chegava até você e como ela está chegando agora. Olhe tudo isto, olhe a sua volta, olhe o que você tem planejado para fazer, pense tudo isto 10 anos atrás...

Este é o tamanho da transformação.
Para as empresas, inovar será sobreviver, inovar significará fazer mais barato e mais rápido, ser claro, chegar a sabores e mercados não atingidos, ser admirado pelos consumidores.
Não poderemos mais pensar que uma boa ideia pode esperar, ou que algo seja bom demais que não possa ser melhorado, e a nós cabe escolher que papel queremos ter neste processo, se protagonistas, coadjuvantes ou espectadores.
O verdadeiro desafio da inovação não é tecnológico, não é de ideias ou de ambiente, é de comportamento, é de gente, é o de virar a chave do “não acredito nisto” ou “estes modismos não me pegam”, para a crença de que tudo o que fazemos pode ser feito melhor, com mais valor, com mais velocidade, com mais precisão, com mais alegria e motivação.  O futuro será das interações e realidades cada vez mais virtuais, mas o valor e o propósito real de tudo será humano, feito por pessoas para pessoas.

Inovar não é para gênios e loucos, inovar é para quem ama o que faz!!!

sexta-feira, 29 de julho de 2016

O protagonista

Quero falar de uma buzzword do momento, o protagonismo, ou o “ser protagonista”. Hoje é impossível traçar um plano, desenhar um processo, desenvolver um time, fazer entregas, estabelecer metas, sem discutir o “protagonismo requerido” dos envolvidos.
Mas, ao final, o que é protagonismo? O que é de fato ser protagonista?
Protagonista vem do Grego PROTAGONISTES, “ator que desempenha o papel principal numa peça”, de PROTOS, “primeiro”, mais AGONISTES, “ator, competidor”, de AGON, “competição”.
Então, segundo a origem da palavra, protagonista é o elemento central de uma ação, é aquele através do qual e para o qual as coisas acontecem.
Até aqui foi fácil, a coisa se complica quando nos damos conta de que o que se busca é ter protagonismo desenvolvido em todas as pessoas de um time, de uma comunidade, mesmo que na essência temos que protagonista é um, e apenas um.
Esta é a arte, este é o novo, este é o pensamento que as organizações passam a precisar: todos têm que ser protagonistas, cada um de seus atos, das suas vidas, de suas crenças.
Agir de forma colaborativa, construindo atos e ações que produzam resultados. Ser o agente principal da mudança, ser o fio condutor de uma nova ideia, ser o primeiro a começar a remar, ser o último a desistir.
Ser protagonista é saber que um grande espetáculo não se faz em um só palco, que cada um tem seu palco, e neste deve ser protagonista para que o show todo aconteça.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Integrar é preciso!

É possível que uma criança hoje não mais se preocupe com integrar-se as pessoas, às coisas ou ao mundo, pelo simples fato nunca saberá o que é estar desintegrada.
Assim é o mundo hoje, tudo integrado, simples assim. O banco no celular, a geladeira na internet, a TV com o tablet, a casa na internet, você com o mundo, suas ideias com seus críticos, seu dia a dia com sua família e amigos, seus produtos com seus consumidores, seu negócio com seus clientes, seu trabalho com os processos, os processos com outros processos, tudo ao mesmo tempo e em tempo real.

Então, se tudo já está tão integrado, porque temos que nos desafiar a nos integrar ainda mais?

Porque, ainda que toda esta integração seja algo que não poderemos mais viver sem, o que realmente fará a diferença será muito mais do que isto, será a integração legítima, a integração de propósitos.
Complicou? Tenho certeza que não... explico.
O que fará diferença não será apenas integrar processos, conceitos e práticas, não será apenas saber o que importa para o todo e se preocupar com isto, não será apenas fazer sua tarefa com rapidez e precisão para que tudo funcione bem.
A integração que fará a diferença deve acontecer naturalmente, tem que ter um propósito bom, único, maior e legítimo, que de fato una as ações e os pensamentos em torno dela, gerando um nível de colaboração que fará com que qualquer sistema, desenho de processo, maquinas automáticas, apps, e tudo mais, pareçam brincadeira de criança em termos de resultado que possa produzir.

Integre seus propósitos, suas paixões, seus talentos e suas ideias, e delicie-se com os resultados, tenho certeza que serão muito maiores do que podemos pensar. Não deixe que tentem nos integrar como geladeiras, somos humanos!!!

segunda-feira, 18 de abril de 2016

O medo do povo...

O Brasil acordou meio de ressaca hoje. 
Parece que a festa tão esperada por uns, chegou, passou e deixou sintomas.

Deixou sintoma de que nossa câmara é mais esquisita que pensávamos. Deixou sintoma de amnésia quando muitos não lembraram em quem votaram, sequer para acompanhar o que o dileto deputado fez com seu mandato.

Ficou o sintoma de que, começamos a resolver um problema, mas que o próximo problema já está no forno. 

Tenho lido manifestações, que dizem que o certo seria mudar tudo. 
Eleições gerais. É a aí que mora o medo povo.

O maior medo do povo, é o medo que temos do povo. 
De nós, povo.
Eleições gerais significaria escolher de novo... que medo.

 

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

O moleque...

Na descoberta inocente, brota a alegria.


Corre feliz, 
anda com energia.


Sozinho, 
porque é assim que é.

Com medo, 
porque não é Mané.

O próximo degrau

No falso deleite da sabedoria rasa, mora toda a vida da coisa injusta. 
A maldade não tem casa na mente dos sábio, a maldade nasce do sopro da bondade solipsista. 
O instinto, diferente do amor, é falho. 
Enquanto sonharmos com o bem do outro, não seremos cumpridores do bem ao outro. 
Saber diferenciar liberdade de expressão de livre arbítrio, breve, breve será a porta ao próximo degrau.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Os %s que podem decidir nosso futuro

It’s all about numbers, é assim que gostam de dizer os que acreditam que tudo se resume ou se explica por números.

Esta semana estamos em meio a vários números que podem representar e influenciar muito nosso futuro.

Dilma recebeu 42% dos votos, Aércio 34%, enquanto Marina mal passou de 20%. 8% é bastante, aliás tem sido assim nas últimas 3 eleições, o que poderia por si só dar a guerra como liquidada. Porém, sempre há um porém, o vencedor do primeiro turno nunca esteve tão longe dos 50,001% como desta vez, o que deixa um certo suspense no ar.

Certamente os 20% de Marina serão chave neste processo, e apesar de ninguém saber para onde ela vai no segundo turno, eu tenho a impressão que os votos vão para onde querem e não para onde ela for. Enfim, esperar e ver…

Agora quem pode mesmo decidir esta guerra, são dois outros números, bem menores.

O 6,75% e o 5,5%…

O primeiro é a inflação acumulada dos últimos 12 meses, a maior em 3 anos.

O segundo o nível da represa da Cantareira, o menor da história.

Um não baixa, outro não sobe.

E nós, bem e nós seguimos exercitando a nosso poder democrático, cheio de revanches, certezas e oscilações.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Voto inútil

 

Nesta corrida eleitoral, marcada por certo marasmo, com um luto como pano de fundo, começa a ficar cada vez mais claro que votar não será importante. Vote em que você votar e o próximo presidente já está escolhido.

Sensação estranha e frustrante, concordam ?

Este post estava feito desde o dia 24 de agosto, e não tinha ido para o blog sei lá porque… ainda bem, porque a pesquisa Ibope de ontem aponta um cenário no mínimo interessante… Marina venceria Dilma num suposto segundo turno entre as duas.

Claramente os votos de Marina não migram para Aécio no segundo turno, mas sem dúvida os votos tucanos são todos de Marina num eventual embate com Dilma.