Pesquisar neste blog

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Boca de Urna

50 minutos de fila para votar foram suficientes para eu entender melhor o processo eleitoral.

Lá você ouve as mais variadas opiniões e “causos”.

O voto obrigatório distorce demais o processo, pois muitos estão lá a contra-gosto, talvez por isto conversem de forma tão difusa/variada sobre o pleito.

Vejam o que registrei :

  • 9 eleitores acreditavam que tanto faz quem ganhar a eleição;
  • 1 eleitora iria votar no santinho que achara no chão, ou seja, o crime da sujeira compensa;
  • 1 eleitor iria apertar qualquer número e confirmar, seu óculos estava quebrado e a mulher foi trabalhar e levou o dela;
  • 2 eleitoras iriam votar em quem está na frente, para não correr o risco de ter que votar novamente em um eventual segundo turno;
  • As mesmas 2 eleitoras acham que o problema do Brasil é a educação, a educação do lar, da família, estavam indo muito bem, até que disseram que a liberdade de imprensa também prejudica porque informa demais e fica “dando ideia” para a molecada. Comecei a entender como pensa quem entende que a imprensa precisa ser “contida”
  • 1 eleitora levou o neto deficiente, apenas para furar a fila;
  • 1 bebê votou 2 vezes, somente enquanto eu estava lá, furando a fila claro;
  • 2 trabalhadores furaram a fila, para não perder horário de trabalho, vai saber se iam mesmo trabalhar;
  • 2 eleitores estavam muito bravos por não ser necessário mostrar o título para votar, pensaram em como estariam mais bravos ainda quem gastou com ônibus, ou perdeu dia de trabalho para tirar o título ou sua segunda via, e no final não serve para nada;
  • 2 eleitoras haviam deixado de votar na última eleição porque a fila demorou demais, ou seja, tinham ido até lá e voltaram para casa sem votar;
  • 1 fiscal explicou como fazer para fugir das longas filas, basta transferir ou tirar o título de eleitor na última hora, pois desta forma você é “alocado” em zonas/seções mais novas, com menos eleitores consequentemente
  • 2 outros eleitores creem que a educação é único caminho, mas diferente do que eu pensava, não pelas questões que se entende no senso comum, mas pelo fato que desta forma haveriam mais médicos, advogados, etc, se formando e estes, com certeza, trariam mais serviços ao povo. Achei muito estranho …
  • 1 eleitor tinha certeza que os principais candidatos a presidência celebrariam o resultado juntos hoje a noite, em uma fazenda que ele não se lembrava bem onde ficava
  • A maior demora não era pelo número de candidatos que precisam ser votados, mas pela ergonomia da urna, que dificulta ao eleitor ver em quem está votando caso o faça sem sentar, tem que sentar para ver direitinho

Nenhum comentário: