Pesquisar neste blog

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Bilhete ao meu amigo que deu certo na vida

Tem uns textos ‘intrigantes’, e este é um deles. Ao decidir trazê-lo para o blog, fiquei em dúvida sobre que mensagem ele trazia para poder apresentá-lo.

Ele traz uma mensagem muito bonita, mas acho que ele tem uma ‘alma’ que vai além do que está escrito nele.

Acho que este texto é uma carta que nunca, ou pouquíssimas vezes, foi de fato escrita por alguém. O ‘dar certo na vida’, e ver sua história ser contada e reconhecida por um bom amigo, mesmo que através de uma carta,  deveria ser mais comum, mas não é. Normalmente não temos tempo, e não está no nosso mapa de coisas valorosas fazer isto. Quem sabe este texto não inspira os bons amigos …

Fonte : Exame – Adriano Silva

Cara, como é bom te ver bem. Eu gosto de me sentir bem com o sucesso dos amigos. Tenho lido que isso é um sinal de quem tem caráter – a capacidade de ficar contente com o êxito alheio. Então vai ver que eu tenho algum caráter. Ao menos no que se refere ao que sinto ao lhe ver vencendo na vida. Acompanho sua trajetória há mais de dez anos.

E torço por você. Sei que você partiu lá de atrás. E foi vindo em direção à classe média, em direção ao padrão de vida que almejava ter. Você sempre admirou a mim e a outros caras em quem talvez mirasse quando começou sua caminhada. No entanto, isso nunca se transformou em inveja, em cobiça, em qualquer emoção negativa. Nunca me senti ameaçado por você.  Nunca senti que você quisesse o que era meu, ou que desejasse que eu deixasse de ter alguma coisa que você não tinha, ou que você tivesse a sensação de que eu precisaria perder para você ganhar. Mesmo quando eu já estava dentro de um sedan bacana da firma e você ainda rodava numa moto de baixa cilindrada – que era sua ferramenta de trabalho, inclusive. Então acho que, na verdade, por tudo isso, quem tem caráter nessa história mesmo é você. Porque se é grande você olhar com simpatia para um outro cara que está atrás na estrada, e torcer genuinamente por ele, como eu fiz por você, é maior ainda manter a compostura e o amor diante de um cara que está à sua frente, como você fez por mim.

Admiro suas conquistas. Especialmente porque você nunca foi um tipo afoito. Você, ao contrário, é um dos caras mais tranquilos que eu conheço. É como se você sempre tivesse sabido que ia chegar lá. E como se sempre tivesse sacado que não é sábio querer acelerar as coisas, atropelar os processos, andar mais rápido do que as próprias pernas. Você é um pouco – não me entenda mal! – como o Pepe Le Pew, aquele personagem de Hanna Barbera que era apaixonado por uma gatinha, e que, sem jamais correr ostensivamente atrás dela, sempre conseguia chegar antes nos lugares em que precisava estar. De alguma maneira, você sempre soube que injetar doses cavalares de ansiedade na vida só torna as conquistas, quando elas acontecem, insípidas. E você, me parece, é um cara que sabe sorver a vida. Aproveitar o momento. Mesmo que sejam momentos duros. Eu já tive que lhe pagar um lanche no McDonald’s, lembra? Você teve que vender coisas suas para pagar as mensalidades em atraso na faculdade, lembra? Não se envergonhe disso. Essas são marcas indeléveis do seu belo voo, da sua vitória, do tanto que você avançou. É assim que começa o seu DE/PARA. E acho que definir o quão bem sucedida é uma vida, nada melhor do que analisar o DE/PARA. De onde você saiu e até onde você conseguiu chegar. Não importa muito onde estão localizados esses dois pontos. Importa a distância que há entre eles.

Admiro, por fim, o conforto que você angariou para si mesmo e para a sua família. É bonito de ver os tijolinhos se montando em sua bela parede. Mas admiro, acima de tudo, a dignidade que você construiu em torno de si. Dignidade. Talvez esse seja o único parâmetro que realmente importa na vida. Conquistá-la. E jamais, nunca, em hipótese alguma se perder dela. A partir de agora, meu amigo, você tem uma reputação a zelar. A partir de agora, meu irmão querido, você tem muito a perder. E isso é ótimo. Parabéns, garoto.

Nenhum comentário: