Pesquisar neste blog

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Botaram o dedo na ferida.. a tréplica

Desculpem-me por voltar a este assunto, mas colocaram uma ‘tartaruga’ em cima da árvore, agora tem que explicar… A entrevista do presidente da Ford sobre o assunto é por demais relevante. Ele reconhece as verdades em todas as opiniões já expressadas (veja aqui e aqui), e coloca o assunto como problema de Estado, não com a visão, pelo menos não a princípio, tradicional do ‘chororô’ por subsidios ou reduções de impostos, mas como um risco real de desindustrialização da nossa economia. Suscita dúvidas também, assim como os dois posts anteriores, mas vale a pena conferir….

Antes da entrevista, veja o ranking atual de vendas no Brasil :

- Ranking de vendas de carros junho/2011 – Seria fosse legal ver a FIAT e a VW engajadas nesta ‘briga’…

Presidente da Ford: "preço alto do carro não é só culpa do imposto"

-- Marcos de Oliveira admite que o carro no Brasil é caro e culpa a cadeia produtiva.
-- Dirigente diz que se a importação continuar nesse ritmo, em cinco anos começam as demissões.
-- Mas 78% dos carros estrangeiros vendidos no Brasil são trazidos pelas próprias montadoras. 

O presidente da Ford Brasil, Marcos de Oliveira, disse que é preciso um acordo com o governo e todas as partes envolvidas no setor automobilístico para resolver o problema do custo da produção de carro no Brasil. Ele admitiu que o alto preço do carro ao consumidor brasileiro não é apenas por culpa do imposto.

"O problema é muito mais amplo" - disse o dirigente ao repórter José Carlos Pontes, da Agência AutoInforme. "Não queremos uma reunião com o governo para reivindicar a redução do imposto. Nem queremos tocar neste assunto. É preciso uma discussão mais ampla, para evitar que daqui a alguns anos haja problemas sérios com a indústria automobilística brasileira".

Segundo Marcos de Oliveira, o Brasil corre o risco de "desindustrialização", isto é: a redução da produção local em consequência do aumento das importações.

O presidente da Ford disse que a concorrência está derrubando os preços, e com isso a rentabilidade das montadoras está diminuindo. E ameaçou: "resta saber até quando vamos aguentar. Se essa situação não for mudada, creio que em cinco anos a indústria vai começar a demitir".

Um estudo feito pela Anfavea, a associação dos fabricantes, mostra que o custo de produção do carro no Brasil é 60% maior do que na China. Foi estabelecido um índice de custo 100 para a China. Para o México esse índice seria 120 e para o Brasil 160.

O curioso é que os maiores importadores de carros no Brasil são as montadoras, notadamente as quatro grandes. Elas são responsáveis por nada menos do que 78% de todos os carros estrangeiros vendidos no País. Os importadores oficiais, reunidos na Abeiva, importaram no semestre 20% do total, carros que, além dos impostos normais, pagam 35% de alíquota de importação; os outros 2% foram trazidos por importadores independentes.

A despeito do alto custo de produção, o Brasil continua recebendo investimentos em novas fábricas.

A Chery faz a cerimônia do lançamento da pedra fundamental da sua fábrica em Jacareí no próximo dia 19. Conforme anunciou o Carsale nesta semana, a Lifan e a importadora brasileira Effa assinaram um acordo para a construção de uma fábrica no Brasil com investimento inicial de US$100 milhões e produção de 10 mil unidades por ano. As duas montadoras já investiram US$ 70 milhões num centro de pesquisa e desenvolvimento, para a criação de um carro pequeno.

Ou os dados do estudo da Anfavea estão errados ou os chineses estão muito mal informados. E vão quebrar a cara. Qual a sua aposta?

Reação

A repercussão da reportagem especial Lucro Brasil foi avassaladora. Foram 700 mil visitas no blog, 2000 comentários, 300 emails, quase a totalidade dos comentários concordando que o carro no Brasil é muito caro e que não há explicação para isso.

As raras vozes discordantes vieram de um instituto que "defende a liberdade de propriedade", e de um colunista, que classificou a reportagem como "crítica fácil".

Fácil - e confortável - é reproduzir o discurso da indústria, que culpa o imposto por todas as mazelas do setor.

Difícil é explicar, como tentamos, de onde vem essa grande margem que faz o carro brasileiro ser o mais carro do mundo.

Por : Joel Leite

Nenhum comentário: