Pesquisar neste blog

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

A segunda marolinha…

Primeiro o cara bateu boca via Twiter com seus seguidores, dizendo que no meio desta crise, não tinha perdido nada do seu patrimônio (perdas estimada naquele dia em US$ 2 Bi) , porque não tinha vendido, e aproveitou para dar uma esnobadinha dizendo que tinha uns US$ 10 Bi em caixa. Veja aqui.

Dias depois, aumentaram as estimativas de suas perdas, e apesar do desarranjo mundial, ele plagiou Lula, chamando de marolinha esta crise… Se ele falasse menos, quero dizer, fosse menos feito a polêmicas, quem sabe devêssemos ouvi-lo mais …

Sinceramente, respitando por demais o cara, até porque é pouco inteligente não ser desta forma, ele fala demais pela relevância que tem. Quem poderia ser um farol para navegarmos em costas acidentadas em tempos de nevoeiros, acaba por tornar-se uma luz que confunde os navegantes…

Ouvir é ouro, falar é prata…

Essa, sim, é marolinha, afirma Eike
"Essa crise, sim, podemos chamar de marolinha". A frase é do empresário Eike Batista, dono do grupo EBX, que se considera "vacinado" contra intempéries do mercado de capitais. Só na segunda-feira, Eike viu evaporarem R$ 7,4 bilhões em valor de mercado das suas empresas listadas na bolsa, sendo R$ 5,8 bilhões só da OGX, de petróleo e gás. No ano, as empresas "X" acumulam perdas de R$ 35,6 bilhões em valor de mercado, sendo R$ 31,2 bilhões só de OGX.

 

"Por sermos pré-operacionais, somos os primeiros a sofrer com o movimento de aversão ao risco. Agora todo mundo só quer saber de dividendo", diz Segundo Eike, a reação da bolsa brasileira ao rebaixamento da dívida americana prova o quanto "infantil" pode ser o comportamento dos investidores. "Chega a ser ridículo se pensar que a dívida americana apresenta algum risco. Eles têm a máquina de fazer dólares e acho que não vai faltar nem tinta nem papel."

Pelo Twitter, o empresário anunciou ontem aumento de 8,5% para os seus funcionários. "Quis sinalizar para o mercado que o mundo real está pegando fogo", assume. "Se você for ao aeroporto vai ver que não tem lugar nos aviões. Está tudo lotado."

Descartando qualquer possibilidade de recessão, o empresário acredita que o Brasil pode se beneficiar do menor ritmo de crescimento na Europa e nos Estados Unidos. "Vai sobrar mão de obra qualificada para nós. É só o que nos falta no momento."

O presidente da operadora de TV a cabo Net, Antônio Félix, diz a empresa vai investir R$ 1,5 bilhão em 2011, mesmo valor aplicado no ano passado. Os recursos serão aplicado em três grandes projetos: digitalização da rede, modernização da infraestrutura e expansão para novas cidades e também dentro dos 94 locais onde a empresa opera no país. "Não podemos trabalhar pensando no pior. Se esse cenário acontecer, revisaremos nosso planejamento lá na frente."

Para Cleiton de Castro Marques, CEO do laboratório Biolab, um impacto negativo seria se o real sofresse forte desvalorização sobre o câmbio, hipótese improvável na sua avaliação. Nelson Mussolini, diretor do Sindicato da Indústria Farmacêutica do Estado de São Paulo (Sindusfarma), ratifica a posição de Marques. "Como o setor é dependente de importações de insumos para medicamentos, o real desvalorizado teria impacto para o setor."

Fonte: Valor Econômico

Nenhum comentário: