Pesquisar neste blog

domingo, 11 de setembro de 2011

Um texto que vale por mil imagens…

Normalmente ocorre o oposto, ou seja, as imagens costumam valer por mil palavras. Há textos, por sorte, que não deixam esta assertiva ser unânime, e nos trazem de quando em quando a força que revigora o prazer pelas palavras.

Recentemente no congresso do PT, José Dirceu foi ovacionado, coisa bonita de se ver, fez história, mostrou força, e fez todos os não PT’s refletirem mais uma vez … ‘on co tô’ ? e se nada mudar ‘pon co vô’ ? Ficava um gosto de tapa na cara, daqueles com direito a cusparada e um sorriso de canto de boca no final…

Por sorte, Nelson Motta não deixou só, quem assim se sentiu, e produziu o belo texto a seguir….

O guerreiro do povo

Nelson Motta - O Estado de S.Paulo

O grito de guerra dos militantes ainda ecoa no Planalto Central. "Dirceu guerreiro! Do povo brasileiro!", o refrão estremece o salão, como um canto de torcida organizada no estádio ou o coro de um funk carioca num bailão.

Mas Dirceu é guerreiro modesto e discreto, nunca falou sobre as suas ações revolucionárias, seus confrontos com as forças da repressão, suas batalhas de arma na mão pelo povo brasileiro. Talvez para não humilhar companheiros que não tiveram tanta bravura como ele na luta contra a ditadura, ou cometeram erros estratégicos que levaram à prisão e à morte de companheiros. Ou talvez porque nunca tenham acontecido. Quando lhe perguntam se matou alguém em combate, dá um sorrisinho maroto e faz cara de mistério.

O guerreiro chama a presidente Dilma de "companheira de armas", mas embora ela tenha pago na própria carne pela sua coragem revolucionária, não há qualquer notícia, documento ou testemunha da presença de Dirceu, ou de "Daniel", seu nome de guerra, em nenhuma ação armada durante a ditadura. Talvez a Comissão da Verdade faça justiça à sua combatividade, ou desmascare o guerreiro que foi sem nunca ter sido. Talvez algum dia reapareçam os disquetes com a sua biografia escrita por Fernando Morais, em que ele dizia ter contado tudo sobre a sua vida guerreira, mas foram misteriosamente roubados da sua trincheira.

Na Câmara, ele foi um incansável guerreiro, se recusando a assinar a Constituição democrática de 88, batalhando pela rejeição da Lei de Responsabilidade Fiscal e denunciando o Plano Real como uma farsa eleitoreira da direita. Perdeu essas batalhas, mas não a sua guerra.

Notável estrategista, ele começou como um dos líderes estudantis que, em 1968, convocaram um congresso "secreto" da UNE em uma fazenda em Ibiúna, onde os 500 congressistas foram facilmente cercados pela polícia e pelo Exército e presos, aniquilando o movimento estudantil. Em entrevista recente, Dirceu disse que, mesmo cercado por centenas de policiais e soldados armados, "queria resistir", mas foi voto vencido.

Com um guerreiro desses, o povo brasileiro não precisa de inimigos.

Nenhum comentário: