Pesquisar neste blog

domingo, 8 de abril de 2012

9 curiosidades verdes (algumas surreais) sobre o Google

Texto, na íntegra, que traz algumas práticas curiosas adotadas pelo Google no seu dia a dia.

Fonte : Vanessa Barbosa, Exame.

 

Gigante da internet investe em energia renovável, usa cabras no lugar de cortador de grama, libera bermuda para quem trabalha nos servidores e ainda cultiva abelhas

Google

São Paulo - Ao acessar diariamente sua conta no Gmail, uma pessoa emite, em média, 1,2 kg de CO2 por ano. Imagine, agora, o impacto ambiental gerado pelas atividades da maior empresa mundial da internet. Preocupado com o seu “karma” ecológico, o Google está em empenhado em desenvolver o seu lado verde. Prova disso, são as ações ambientais que vem empreendendo nos últimos anos – uma mais curiosa que a outra. Confira. 

1 - Pegada de carbono 

Em setembro de 2010, o Google revelou pela primeira vez sua parcela de impacto ambiental no planeta. Entenda-se por isso as emissões de carbono advindas das operações da empresa e do consumo de energia ao longo de um ano, ou seja, a sua pegada de carbono. Segundo o relatório de sustentabilidade da empresa, o Google emite, anualmente, 1,5 milhão de toneladas de CO2, algo equivalente às emissões de um pequeno país como Laos, no sudeste asiático, ou sete vezes menos o que emite uma cidade como São Paulo.

2 - Data centers eficientes

Os servidores estão no coração de quase tudo que o Google faz. Por isso, executá-los com eficiência é uma das maiores oportunidades para reduzir o impacto ambiental. E a empresa faz por onde: seus centros de dados consomem 50% menos energia que a média da indústria. Para se ter uma ideia, o total de eletricidade usada pelos sistemas da companhia em 2010 representou apenas 1% dos 198,8 bilhões de kWh usados por todos os centros de dados do mundo no mesmo ano.

Funcionários do Google que trabalham nos Data Centers podem usar bermuda

3 - Bermuda liberada

Mas só para quem trabalha nos centros de processamento de dados, que, diz o Google, se assemelham a uma selva, devido ao ar quente. O uso de ar-condicionado nessas instalações é mínimo, o que garante um consumo econômico de energia.

4 - Investimento em energia limpa

Acreditando no potencial das tecnologias verdes, o Google já investiu mais de 780 milhões de dólares no setor de energia limpa, ajudando a tirar do papel projetos inovadores, ou mesmo dando o empurrãozinho que faltava. Em setembro passado, a empresa anunciou financiamento de 75 milhõies de dólares para instalação de paineis fotovoltaicos em centenas de residências americanas.

Edifícios mais verdes também são uma preocupação. O complexo de Mountain View, na Calfórnia, é 30% abastecido pela energia gerada por paineis solares.

 

5 - Alimentação

Os funcionários do Google se esforçam para consumir alimentos locais, seguindo a premissa ecológica de que quanto menor a distância entre onde o alimento é cultivado e onde é consumido, menor serão as emissões.

O Googleplex, com é chamado o complexo em Mountain View, na Califórnia, possui até hortas para abastecimento próprio. Legumes, vegetais e outros alimentos que não são usados pelos 23 restaurantes da empresa seguem para doação ou são transformados em adubo.

Cabras "aparam" a grama na sede do Google, na Califórnia.

6 - Saem os cortadores, entram as cabras

Em outra inciativa verde inusitada, o Google substituiu todos os cortadores de grama por 200 caprinos, que semanalmente aparam a vegetação no complexo. 

A “contratação” dos animais foi justificada pela empresa, que afirmou em comunicado que os antigos cortadores eram barulhentos, usavam gasolina e poluíam o ar.

7 - Ferramentas “ativistas” 

Ferramentas como o Google Earth e o Maps têm sido utilizadas por ONGS ativistas de causas ecológicas. No rescaldo do maior desastre ambiental da história dos EUA, o vazamento de petróleo no Golfo do México, grupos ambientalistas de todo o país liderados pelo Defenders of Wildlife lançaram mão da ferramenta para mostrar a direção da mancha negra e seus efeitos sobre o ecossistema.

No Brasil, por exemplo, a tribo indígena Surui usa o Google Earth para monitorar a extração ilegal de madeira em suas reservas.

Apicultura

8 - Criação de abelhas

Por mais inesperado que possa parecer, a maior empresa de internet do mundo curte apicultura. O Google possui quatro criadores de abelha no campus da Califórnia e são os próprios funcionários que ajudam na atividade.

Cada cuidador voluntário pode levar para casa um potinho de mel por colheita; o restante é usado nos cafés da empresa.

9 - Transporte elétrico

O Google também aposta no transporte verde para reduzir sua pegada ecológica. Diversos escritórios da empresa nos EUA dispõem de um programa especial de compartilhamento de  veículos totalmente elétricos, além de pontos de recargara. Outra opção são ônibus movidos à biodiesel. A iniciativa ajuda a evitar emissões anuais de 5, 4 mil toneladas de CO2, o que equivale à retirada de 2 mil veículos a gasolina das ruas. 

Nenhum comentário: