Pesquisar neste blog

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Ter é poder…

Texto de Barbara Gancia, claro e preciso, sobre o consumo ter se tornado um hábito maior que o próprio protagonista…

A graça de pertencer ao mundo do consumo reside na exclusividade. Quanto mais excludente for a mi­nha compra, mais status terei. A "inclusão" é linda no discurso, mas na prática gera um incômodo enor­me. Se todo mundo tiver bolsa Guc­ci, como vou me diferenciar? Terei de andar a ca­valo na Andaluzia de madrugada com o adestrador da rainha Eliza­beth? Ou, quem sabe, serei obriga­da a fazer como meu amigo, que re­centemente pagou uma fortuna para ser perseguido por um leão de verdade na África? No marketing, a experiência tem o nome de "story­telling". Quem se aventura a voltar da Manchúria contando que co­meu cérebro de macaco?

 

Cérebro de macaco

O delírio do consumismo nos transforma em monstros di­fíceis de confrontar. Quem já não se surpreendeu na liquida­ção da loja X, Y ou Z da Champs-Ely­sées em luta corporal contra o oriental ou russo por um artigo de roupa pelo qual depois percebe que não teria valido a pena perder a vi­da? Pois é, eu também nunca me colhi nesse tipo de situação degra­dante, claro que não, só estou di­zendo.

E quem nunca voltou com hérnia dos EUA de tanto carregar sacola? Também não é o meu caso, aliás nem sei de onde me veio a imagem.

E essa agora do programa do Jimmy Kimmel, na semana de lan­çamento do iPhone 5, em que, a fim de testar o grau de alucinação dos consumidores, jogou na mão do sujeito que passava na rua um iPhone 4 fingindo ser o modelo no­vo (bit.ly/QTt6yU).

As reações foram as mais engra­çadas: "É mais leve", "Mais rápido", "A tela é maior". É da natureza hu­mana fazer de tudo pelo brinquedi­nho novo, até se iludir, não?

Ainda mais peculiar foi a pesquisa do instituto Data Popular, que pintou no iG nestes dias, sobre a clas­se AB não estar gostando nadinha da ascensão da ralé.

O resultado atesta que 55,3% dos consumido­res das classes AB creem que os produtos deveriam vir em versões "para rico e para pobre"; 49,7% pre­ferem ambientes frequentados por pessoas do seu nível social; 48,4% acreditam que a qualidade dos ser­viços piorou com o acesso dos mais pobres;16,5% gostariam de ver gente mal vestida barrada dos luga­res que frequentam e 26% dizem que a chegada de uma linha do metrô na região onde moram traria 'gente in­desejada' para a área.

Não sei se o leitor se lembra (mui­to provavelmente não), mas ques­tionei neste cantinho de céu há pouco tempo o que era preciso ter/ser para pertencer à classe gar­galhada (AAA).

Acabei descobrindo que os insti­tutos de pesquisas, esses horrendos laboratórios de análise que servem para desvendar os mecanismos que levam o consumidor a entregar a al­ma ao diabo do consumo utilizam um tal "critério Brasil" para efetuar suas medições.

O critério Brasil classifica as pes­soas em relação à posse de bens no domicílio e ao grau de instrução do chefe de família, ou seja, a classe A não é avaliada por escolaridade ou poder econômico, mas por um mix das duas coisas. E não importa se estamos falando de uma periguete ou de uma velha encrenqueira co­mo eu, sempre iremos medir quan­tas TVs, banheiros, refrigeradores etc estão disponíveis no local em que a criatura reside.

Ocorre que este critério não con­segue mais refletir as diferenças entre as classes, já que todos estão consumindo parecido. E, para con­fundir ainda mais, o pessoal da classe AB geralmente se define como sen­do da classe C, diz não ter dinheiro no fim do mês, mas compra na Se­phora do shopping em um país em que a maioria não convive com es­goto. Uma bagunça dos diabos.

A graça de pertencer ao mundo do consumo reside na exclusividade. Quanto mais excludente for a mi­nha compra, mais status terei. A "inclusão" é linda no discurso, mas na prática gera um incômodo enor­me. Se todo mundo tiver bolsa Guc­ci, como vou me diferenciar? Terei de andar a ca­valo na Andaluzia de madrugada com o adestrador da rainha Eliza­beth? Ou, quem sabe, serei obriga­da a fazer como meu amigo, que re­centemente pagou uma fortuna para ser perseguido por um leão de verdade na África? No marketing, a experiência tem o nome de "story­telling". Quem se aventura a voltar da Manchúria contando que co­meu cérebro de macaco?

Fonte : Blog da Barbara Gancia

Nenhum comentário: