Pesquisar neste blog

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Demolir é preciso

Após longo período de ausência , me desculpo e volto ao ‘trabalho’…

Motivado pela notícia de que o prédio da Daslu na maginal, em São Paulo, está sendo demolido (veja aqui), refleti sobre o tema pois, devo confessar,  sempre fui admirador das demolições. Não pelo efeito plástico de ver tudo caindo, mas sim pela ‘coragem’ que marca as demolições. Demolir é colocar para baixo o que já existe e não serve mais, com a crença de que algo muito melhor pode ser feito, e que este algo novo trará melhoras a ponto de compensar a perda de tudo que havia antes.

Nossa mente, talhada pelo raciocínio lógico e quadrado, tem dificuldade para suportar a idéia da demolição como algo em evolução, demolir é sempre perder, perder o esforço até então empreendido, perder toda história ali acumulada. É na quebra deste paradigma que reside a oportunidade, demolir é renovar e não destruir.

Demolir é, portanto, fazer o novo de novo. Devíamos então demolir mais, e com isto proporcionarmos a nós mesmos mais e mais chances de fazer de novo e melhor. Não deixemos que o ‘bom’ que está, impeça o ‘melhor’ de acontecer.

Quanto estamos deixando de construir por não considerar a hipótese de fazer uma demolição… Faça um exercício e veja quantas reformas que deveriam ser demolições e reconstruções estão em curso na sua vida, o resultado pode surpreender.

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.

Fernando Pessoa

2 comentários:

Osmany Pinheiro Machado disse...

òtimo texto, grande Dalbi Arruda. Abração Neto

MY disse...

Caros amigos, a Daslú foi um sonho de loja que para os padrões brasileiros mais parecia um conto de fadas, salvo engano, até heliporto ela possuía, mas, como tudo nessa vida teve início, meio e fim não é mesmo?