Pesquisar neste blog

sexta-feira, 8 de março de 2013

A história de um cara legal…

Era uma vez um cara legal, que gostava de filmes, estórias e história. Tinha ouvido de um bom amigo que se reparasse bem, bem mesmo, veria que não há realidade e ficção quando o assunto eram personagens, pois todos os personagens por mais fictícios que sejam, existiam na vida real.

Desde então nunca mais assistiu ou leu nada sem esta certeza, gastava parte do tempo pensando quem seria aquela personagem aqui no mundo real e, em quase todas as vezes acabava achando alguém muito semelhante lá e cá.

Quanto mais o tempo passava mais personagens foi sendo capaz de achar, e isto, infelizmente se mostrou como o preço duro da experiência, da idade, o preço pago por ter visto de tudo. O preço a ser pago por saber demais, e começar a perder o apetite da descoberta, nada mais assustava ou surpreendia, tudo já era sabido.

Reparava que a cada dia que passava, mais sabia sobre as pessoas, sobre as coisas, sobre tudo. Já sabia quem era quem em todos os filmes, como o filme terminaria, o que o ministro falaria no discurso, o que aconteceria no jogo, como seria a chuva de hoje a tarde, e por aí vai.

Conhecia todos os atos e todos os personagens. E este foi o segredo para o fim da festa. Conhecer todos os personagens que existem era o fim.

Ele não conseguia mais debater nada com ninguém, ele ficara chato, sabia demais, sabia antes de saber do que se tratava. Os amigos pararam de lhe falar, ele começou a se desinteressar por tudo.

O cara legal não conseguia mais ler nada, e nem assistir nenhum filme, nada mais tinha graça. Foi o fim do cara legal…

Seu erro fora não explorar o desconhecido, ele não sabia que o desconhecido se acessa através do conhecido, este era o segredo, é científico, o desconhecido é acessado através do que conhecemos …

Depois deste texto entendi o discurso de Steve Jobs aos formandos de Stanford em 2005, quando no final disse : “Stay hungry, stay foolish”. Não queira saber tudo, e nem entender tudo… Não seja o chato sabido, prefira o chato aprendiz…

Nenhum comentário: