Pesquisar neste blog

terça-feira, 25 de junho de 2013

A conta dos protestos

Começa a surgir aqui e ali a conta dos protestos. Não falo de dinheiro não, de custo de organização, e nem tampouco das depredações e saques, falo da conta moral.

Como uma ressaca moral, ela vem e impõe a sua vítima momentos de reflexão duros, a conta começa a chegar com questões bem simples, e que devem ser objeto de reflexão.

Querem o fim da corrupção ? Que tal então não corromper !

Querem a redução da carga tributária ? Que tal então não sonegar !

Querem o fim da violência ? Que tal então se comportar melhor no trânsito !

Querem melhor transporte público ? Não deprede o que tem.

Acho que a sociedade pode dar uma resposta linda a tudo isto, mas não pode negar estas questões, não pode negar que o livro tem mais de um capítulo, e para ter sentido, tem que ser lido na íntegra.

De Elisa Lucinda, “Só de Sacanagem”

Meu coração está aos pulos! Quantas vezes minha esperança será posta a prova? Por quantas provas terá ela que passar?
Tudo isso que está aí no ar: malas, cuecas que voam entupidas de dinheiro. Do meu dinheiro, do nosso dinheiro que reservamos duramente pra educar os meninos mais pobres que nós, pra cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais. Esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e eu não posso mais. Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança vai ser posta a prova? Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais? É certo que tempos difíceis existem pra aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz. Meu coração tá no escuro. A luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e todos os justos que os precederam. 'Não roubarás!', 'Devolva o lápis do coleguinha', 'Esse apontador não é seu, minha filha'. Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido que escutar! Até habeas corpus preventiva, coisa da qual nunca tinha visto falar, sobre o qual minha pobre lógica ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao culpado interessará! Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear! Mais honesta ainda eu vou ficar! Só de sacanagem!
Dirão: 'Deixe de ser boba! Desde Cabral que aqui todo mundo rouba!
E eu vou dizer: 'Não importa! Será esse o meu carnaval! Vou confiar mais e outra vez. Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos.'
Vamo pagar limpo a quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês. Com o tempo, a gente consegue ser livre, ético e o escambal.
Dirão: 'É inútil! Todo mundo aqui é corrupto desde o primeiro homem que veio de Portugal!'
E eu direi: 'Não admito! Minha esperança é imortal, ouviram? Imortal!'
Sei que não dá pra mudar o começo, mas, se a gente quizer, vai dar pra mudar o final!

Nenhum comentário: