Pesquisar neste blog

segunda-feira, 15 de julho de 2013

O ‘ser’ e o ‘meio’, quem molda quem ?

Somos cada vez mais cobrados para refletir sobre o quanto das ‘lambanças’ cometidas por nossos governantes não são nada além do reflexo comportamental do que somos como povo. É duro querer comparar, mas ao mesmo tempo não é justo analisar ‘os políticos’ como algo que veio sei lá de onde, criado por sei lá quem, apenas para prejudicar o povo. Eles são sim, um extrato do povo que os elege e de sua cultura, feliz ou infelizmente.

Estendendo esta reflexão, recobro o episódio das badernas organizadas pelos jogadores espanhóis quando de sua passagem por aqui para a Copa das Confederações, cenas e histórias dignas dos mais baderneiros do nosso anedotário, seja ele futebolístico ou não.

Começava ali a minha suspeita de que o meio influenciava e muito o ser, não achei que seria razoável supor que estas mesmas badernas teriam ocorrido caso os jogos fossem na Alemanha, por exemplo. Mas ainda assim, naquele momento, julguei que era excesso de ‘síndrome de cachorro vira-latas’ e que por isto, eles sim aprontariam tudo igual lá também, só que nós não saberíamos, será que acertei ?!?

Ficou a dúvida, até que ontem, a FSP deu a notícia de que várias empresas se organizaram para fraudar licitações em obras de transporte público, no metrô de SP e DF, e no projeto do trem bala ligando RJ a SP.

Colocando a nota desta forma, ele seria apenas mais uma denúncia em meio a tantas similares, o que chama a atenção é o nome dos envolvidos.

Você acreditaria que este cartel é formado por Alemães, Franceses, Japoneses, Canadenses e Espanhóis ? Não ? Pois reveja então seus conceitos, pois a denúncia veio da Siemens (Alemã), sendo ela parte do cartel, citando como demais membros do cartel as empresas :  Alstom (Francesa), Mitsui (Japonesa), Bombardier (Canadense) e a CAF (Espanhola).

Eu duvido que estas empresas façam este tipo de negociata em seus países de origem, será que estou errado ? Se não, devo crer em que ? Devo crer que o meio foi mais forte do que as culturas destas empresas e de seus líderes ?

Será mesmo que o ser é totalmente fruto do meio e nada mais ? Não pode ser… mas que parece, parece.

Nenhum comentário: